Não se castre, por favor

29Nov07

Não me confundam com certas pessoas que não sabem usar lápis de olho, ou que acreditam que toda letra de música foi escrita para descrever suas aflições pessoais. Eu poderia escrever sobre assuntos leves, tenho alguns na gaveta até. Só que o dia de hoje não me permite.

Quero falar com você. Você que está lendo. Onde você chora? Se acontece uma merda muito grande, inesperada, que te deixa completamente sem ação, o que você faz? Você consegue chorar em público? Você agüenta segurar? Se sim, onde você baixa a tua guarda? Tem gente que espera pra chorar antes de dormir. Eu não. Guardo pra outros lugares, sempre os privados. Mas hoje não consegui. E sabe o que sobra? Esse nó no garganta, essa sensação de impotência por saber que o mundo é uma bosta e você não pode fazer nada a respeito. E que os outros te viram assim e sentiram pena.

E por que esse problema que eu e muitas pessoas temos com demonstrar sensibilidade? Por que diabos nós nos convencemos que emoção é fraqueza, e nos auto-castramos? Você sabe me responder? Você sofre da mesma síndrome que eu?

Se você não quiser me responder em forma de comentário, entendo perfeitamente. Se preferir, me escreva um e-mail. Ou melhor ainda: responda para si mesmo.

Advertisements


No Responses Yet to “Não se castre, por favor”

  1. Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: